O que é Botulismo alimentar, sintomas, prevenção e tratamento

Publicado na categoria Problemas de Saúde em 16 de Dezembro de 2016 | Por Rafaela

O que é o botulismo?

O botulismo é uma doença rara, produzida pela bactéria Clostridium botulinum, que encontra-se no solo e nos alimentos mal conservados. A intoxicação alimentar por esta bactéria pode produzir danos graves nos nervos e músculos, o que chamamos de botulismo. É, ainda, potencialmente fatal.

Esse tipo de bactéria é um pequeno bacilo Gram-positivos flagelado, medindo cerca de 8 micrômetros por 3 e produz esporos e neurotoxinas, relacionados com o gênero Bacillus. Seu habitat natural é o solo e a água não tratada.

A neurotoxina produzida funciona como uma enzima metaloprotease, a qual destrói as proteínas envolvidas na exocitose do neurotransmissor acetilcolina na placa nervosa motora.

Sua ação provoca a paralisia dos músculos e, quando extensa, pode ocasionar a paralisia do diafragma impedindo a respiração normal e levar o indivíduo contaminado à morte por asfixia.

É uma doença de notificação compulsória. Entre os anos de 1999 a 2011 foram registrados 68 casos no Brasil, com 20 óbitos, uma mortalidade próxima de 30%. Dados ainda não definitivos de 2012 indicam mais 4 casos de botulismo e 2 mortes durante o ano.

Leia mais: O que é Intoxicação Alimentar, tratamento, remédios e sintomas

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

  1. O que é o botulismo?
  2. Causas e tipos
  3. Sintomas do botulismo
  4. Qual profissional devo procurar? E qual o diagnóstico?
  5. Tratamento para botulismo
  6. Grupos e fatores de risco
  7. Complicações e prognóstico
  8. Prevenção e Transmissão do botulismo

Causas e tipos

É causado pela bactéria Clostridium botulinum, a qual pode ser encontrada no solo e em água não tratada. Os esporos que ela produz sobrevivem até em ambientes com pouco oxigênio, como alimentos em conserva ou enlatados.

Nesses ambientes, a toxina ingerida, mesmo que em pouquíssima quantidade, pode causar envenenamento grave. Foram descritos 8 tipos de toxinas (A, B, C1, C2, D, E, F, G), das quais todos, exceto C2 (citotoxina de importância clínica desconhecida), são neurotoxinas.

Os tipos A, B, E causam com maior frequência doença no homem, enquanto o tipo F é mais raro. Já o tipo G esteve associado à morte súbita, e não à doença neuroparalítica, quando os tipos C e D causam doença em animais.  

As causas de botulismo dependem do tipo específico da doença, sendo:

Botulismo infantil ou do lactante

É o tipo mais comum da doença e acomete crianças de aproximadamente 2 a 6 meses de idade. Neste caso, a bactéria causadora da doença se multiplica e libera toxinas dentro do trato gastrointestinal do bebê, podendo causar graves complicações à saúde dele.

Botulismo alimentar

Este se contrai por meio da ingestão de alimentos contaminados com a bactéria, o que, geralmente, se prolifera em ambientes com pouco oxigênio, como em alimentos enlatados.

Os alimentos geralmente encontrados contaminados pela bactéria são:

  • - Vegetais em conservas caseiras.
  • - Carne de porco e presunto.
  • - Peixe defumado ou cru.
  • - Mel.

Botulismo das feridas

Para este tipo, as bactérias entram no organismo por meio de lesões na pele, machucados e outras feridas, e quando liberam as toxinas, levam a uma grave infecção.

Sintomas do botulismo

Os sinais e sintomas comuns do botulismo são:

  • - Tontura.
  • - Boca seca.
  • - Fotofobia.
  • - Queda da pálpebra.
  • - Dificuldade para fazer suas necessidades.
  • - Paralisia muscular progressiva, que inicia na cabeça e depois vai descendo pelo corpo.
  • - Dificuldade em engolir.
  • - Visão dupla.
  • - Dificuldade em respirar.

Os sintomas podem ter início de 3 horas a 7 dias após a contaminação com a bactéria, sendo o período de incubação dela, geralmente, de algumas horas até 8 dias.

O tempo de incubação vai depender muito da quantidade de toxina que foi liberada dentro do organismo e do tipo da doença, que pode ser o infantil e o alimentar, variando também os sintomas conforme cada um. Vejamos:

Botulismo infantil

Quando relacionado à ingestão de alimentos contaminados, como o mel, os sintomas costumam começar cerca de 18 a 36 horas após a contaminação do organismo do bebê.

Os sintomas que a criança poderá apresentar são:

  • Constipação (muitas vezes o primeiro sinal).
  • - Movimentos flexíveis, devido à fraqueza muscular e dificuldade para controlar a cabeça.
  • - Choro fraco.
  • - Irritabilidade.
  • - Baba excessiva.
  • - Pálpebras caídas.
  • - Cansaço.
  • - Dificuldade de sucção ou alimentação.
  • - Paralisia.

Botulismo alimentar

Assim como o botulismo infantil, os sintomas deste tipo de botulismo começam tipicamente algumas horas após a toxina entrar no organismo. Contudo, pode variar durando até vários dias - isto vai depender da quantidade de toxina ingerida.

Os sinais e sintomas mais comuns são:

  • - Dificuldade para engolir ou falar.
  • - Boca seca.
  • - Fraqueza facial em ambos os lados da face.
  • - Visão turva ou dupla.
  • - Pálpebras caídas.
  • - Dificuldade para respirar.
  • - Náuseas, vômitos e cólicas abdominais.
  • - Paralisia.

Botulismo das feridas

A maioria das pessoas usuárias de drogas injetáveis desenvolvem botulismo por feridas. Na maioria dos casos é difícil estimar em quanto tempo os sinais e sintomas se manifestarão.

Porém, ao penetrar na corrente sanguínea, por exemplo por meio de um machucado na pele, as toxinas vão se espalhar muito mais rapidamente pelo corpo, e os sinais e sintomas mais comuns são bem semelhantes aos do tipo alimentar, como:

  • - Dificuldade em engolir ou falar.
  • - Fraqueza facial em ambos os lados da face.
  • - Visão turva ou dupla.
  • - Pálpebras caídas.
  • - Dificuldade em respirar.
  • - Paralisia.

Qual profissional devo procurar? E qual o diagnóstico?

Os médicos especialistas que podem ser procurados para diagnosticar e tratar o botulismo poderão ser o clínico geral ou o infectologista. O diagnóstico inicial é realizado por exame físico, feito pelo próprio médico no consultório.

Neste primeiro exame, o especialista poderá identificar:

  • - Ausência ou diminuição dos reflexos do tendão profundo.
  • - Ausência ou diminuição do reflexo faríngeo.
  • - Pálpebra caída.
  • - Perda da função/sensibilidade muscular.
  • - Intestino paralisado.
  • - Comprometimento da fala.
  • - Retenção urinária com possível incapacidade de urinar.

Além disso, outros exames que o médico poderá solicitar ao paciente com suspeita de botulismo são:

  • - Exames de sangue: para identificar a toxina no organismo.
  • - Exame de fezes.
  • - Exames laboratoriais: no alimento suspeito de conter a bactéria transmissora de botulismo.
  • - Diagnóstico clínico, feito pelos sintomas:
  1. Paralisia muscular progressiva: iniciando-se pela face, ptose palpebral (fecha o olho).
  2. Dificuldade de deglutição.
  3. Visão dupla.

Os sintomas progridem pela musculatura, causando dificuldade motora e de respiração, podendo também serem confundidos com doenças nervosas e diversas intoxicações (por pesticidas, por exemplo), o que às vezes retarda o tratamento.

É fundamental realizar um diagnóstico precoce, a fim de deter a evolução da doença, como a “Doença neuroparalítica grave”, que não é contagiosa, e resulta da ação de uma potente toxina produzida pela bactéria da doença.

A letalidade do botulismo é alta e deve ser considerada uma emergência médica, bem como de saúde pública. Para que este risco e as sequelas sejam minimizados, é essencial que o diagnóstico seja feito rapidamente e que o tratamento seja iniciado.

Tratamento para botulismo

O tratamento requer a administração de uma anti-toxina (antídoto) imediata ou então o soro polivalente; se o tratamento for tardio, pode ser que ele não funcione.

Caso o paciente apresente déficit para respirar, então deverá ser usada uma máquina de respiração artificial até a paralisia terminar, tal fato pode ter duração de alguns dias.

Durante o tratamento deve-se fazer uma lavagem estomacal e intestinal para garantir que não reste nenhum alimento contaminado no organismo do paciente contaminado, a fim de evitar maiores danos. A ingestão de antibióticos não tem nenhum efeito em caso de botulismo.

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica. 

Grupos e fatores de risco

Há grupo e fatores de risco específicos para cada tipo de botulismo. São eles:

  • - Botulismo infantil: o maior e único fator de risco é a idade; entre 2 e 6 meses, quando exposto aos esporos bacterianos de botulismo.
  • - Botulismo alimentar: ingestão de alimentos mal conservados ou enlatados vencidos é o principal fator de risco para contrair a doença.
  1. Ingestão de água contaminada com a bactéria.
  2. Estão no grupo risco as pessoas que vivem em regiões que não dispõem de saneamento básico adequado.
  • - Botulismo das feridas: ter uma lesão na pele e ser exposto aos esporos da bactéria.
  1. Ser usuário de drogas injetáveis.

Complicações e prognóstico

Pode ser que durante ou após o tratamento o paciente apresente complicações, por isso é importante que ele fique no hospital em observação.

A toxina botulínica afeta o controle motor podendo causar consequências, as quais podem ser:

  • - Insuficiência respiratória: é a forma mais comum de morte causada por botulismo.
  • - Dificuldade para falar.
  • - Dificuldade para engolir.
  • - Fraqueza de longa duração.
  • - Fadiga.
  • - Pneumonia por aspiração e infecção.
  • - Problemas no sistema nervoso em geral.

Se o tratamento não for iniciado cedo, o paciente poderá sofrer complicações mais graves, como:

  • - Paralisia dos membros e dos músculos respiratórios: precisando respirar por aparelhos por um longo período.
  • - Morte.

Leia mais: Pneumonia: sintomas, formas de tratamento e diagnóstico

Prevenção e Transmissão do botulismo

As prevenções para o botulismo são simples e valem ser feitas, afinal, todo cuidado é pouco! Veja quais são elas:

  • - Não oferecer mel ao bebê com menos de 1 ano de idade: é um dos alimentos mais perigosos se for mal conservado.
  • - Não consumir alimentos enlatados cuja embalagem esteja danificada, com a tampa estufada ou enferrujada.
  • - Não consumir alimentos industrializados que apresentem líquido ou vidro turvo.
  • - Ferver por 5 minutos todos os alimentos enlatados antes do consumo, especialmente o palmito, que é o principal causador do botulismo em adultos.
  • - Preparar os alimentos caseiros com um rigoroso cuidado de higiene.

Agora que você já sabe como é fácil evitar o botulismo, compartilhe este artigo para que mais pessoas também possam se informar e tomar cuidados!

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Botulismo
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782008000100049
http://www.mdsaude.com/2013/01/botulismo.html
http://brasilescola.uol.com.br/doencas/botulismo.htm
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/botulismo
https://www.tuasaude.com/botulismo/

© 2017 Consulta remédios. Todos os direitos reservados.

Receba nossos conteúdos diretamente em seu email

Ao concluir você aceita a nossa Política de Privacidade

Produtos relacionados

Comentários