Encontre lojas que entregam na sua região

O que é Espondilose Lombar, Dorsal, Cervical, sintomas e mais

Publicado na categoria Problemas de Saúde em 01 de Julho de 2016 | Por Rafaela

A idade chega para todos e, com ela, alguns problemas também. Por mais que tenhamos os melhores cuidados com nosso corpo e mente, às vezes eles sofrem desgastes mesmo assim – e isso é normal e da natureza do ser humano.

Um desses desgastes é quando uma parte de nossa coluna falha em sua função, sobrecarrega outra e, assim, acaba afetando toda a estrutura. À essas falhas na estrutura da coluna damos o nome de Espondilose, e você conhecerá um pouco mais sobre a doença a seguir.

Relacionado: Problemas de saúde causados pela má postura

Índice – neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Espondilose e quais são os seus tipos
  2. Quais as causas da doença?
  3. Os sintomas da Espondilose
  4. Como é feito o diagnóstico
  5. Tratamento da Espondilose
  6. Posso me prevenir da Espondilose?

O que é Espondilose e quais são os seus tipos

Espondilose é um problema na coluna vertebral causado pelo desgaste dos seus discos, o que gera a diminuição do espaço entre cada vértebra, ocasionando o famoso “bico de papagaio” e a sua dor característica. É uma doença degenerativa de caráter crônico e progressivo, ou seja, se não tratada pode comprometer os movimentos de alguns membros do corpo, como braços e ombros.

Por mais que a coluna humana possua 3 regiões principais, a doença é mais comum nas que são móveis, ou seja, a região cervical e lombar.

Espondilose Cervical

As vértebras cervicais fazem parte da região do pescoço e as que mais são afetadas pela doença são as 3 inferiores em nível C4-C6.

Espondilose Lombar

Esse tipo da doença se manifesta na parte inferior das costas, que carrega todo o peso do corpo, e as vértebras mais atingidas são em nível L5-S1. Entre as mulheres, as mais comuns de serem atingidas são as que estão entre L4-5.

Espondilose Dorsal ou Torácica

A região torácica da coluna, localizada bem ao meio das costas, é a menos atingida pela espondilose. Quando ocorre, normalmente não apresenta sintomas, por conta de sua menor amplitude de movimento articular. Mas, se apresentar, fique atento a dores locais e irradiações esporádicas para as costelas.

Relacionado: O que é Cifose, sintomas, tratamentos, tipos e cura

Quais as causas da doença?

As alterações na coluna características da espondilose podem ter várias causas, como o avanço da idade, sobrepeso ou por conta de trabalhos repetitivos. Abaixo, explicamos sobre alguns fatores que podem causar a doença:

Excesso de crescimento dos ossos

Com o enfraquecimento da coluna, alguns ossos podem sobrecrescer para tentar compensar a coluna, tornando-a mais forte. Porém, esse sobrecrescimento pode ocorrer em zonas delicadas da coluna, como a medula espinhal e os nervos, causando dor no indivíduo.

Desidratação dos discos

Os discos que compõem a coluna vertebral possuem um tipo de gel em seu interior e tem a função de absorver  choques de elevação, torção e outras atividades. Quando esse gel seca, o movimento das vértebras pode ser mais doloroso.

Hérnia de disco

O gel interno dos discos vertebrais pode vazar através de fissuras e, quando isso ocorre, pode haver pressão sobre a medula espinhal e nervos, resultando em sintomas como dormência no braço e no nervo ciático.

Lesões na coluna

Se você já sofreu algum tipo de acidente na coluna, muito provavelmente as sequelas irão acelerar o processo de envelhecimento da estrutura.

Rigidez nos ligamentos

Os ligamentos entre um disco e outro podem se tornar mais rígidos conforme o tempo, o que acaba afetando nos movimentos do pescoço.

Uso excessivo da coluna

Movimentos ou exercícios repetitivos, bem como trabalhos pesados, podem comprometer a função da coluna, pelo fato de exercerem pressão extra sobre ela, resultando em desgastes prematuros.

Relacionado: Carregar excesso de peso pode ser prejudicial à saúde

Os sintomas da Espondilose

O principal sintoma manifestante dessa doença é a dor intensa na região da coluna. Além desse, há outros sintomas que também se sobressaem:

  • - Dor de ambos os lados da lombar, podendo irradiar para as nádegas e parte posterior da coxa;
  • - Dor em volta do ombro;
  • - Fraqueza dos músculos;
  • - Dores de cabeça mais frequentes na parte de trás da cabeça;
  • - Torcicolo;
  • - Formigamento ou dormência de alguns membros, principalmente em ombros, braços e pernas.

Como é feito o diagnóstico

Se você possui os sintomas acima há mais de três meses, está na hora de visitar um médico especialista da coluna, que pode ser ortopedista ou neurocirurgião. Durante a consulta, ele irá te perguntar sobre os sintomas e realizar alguns testes clínicos, como teste de reflexo e a checagem  de deficiências nos músculos.

Além deles, outros testes podem ser solicitados pelo médico, como radiografia, tomografia e ressonância magnética da coluna.

Tratamento da Espondilose

Primeiramente, é preciso aliviar a dor. Sendo assim, o médico poderá receitar a você medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios, além de sugerir repouso intenso. Dentre os medicamentos mais utilizados no tratamento para a espondilose, estão:

  • - Relaxantes musculares, como o ciclobenzaprina, para o tratamento de espasmos dos músculos;
  • Narcóticos, como o hidrocodona, para alívio da dor;
  • - Antiepiléticos, como gabapentina, para alívio da dor causada pela lesão do nervo;
  • - Injeções de esteroides, como prednisona, para diminuir a inflamação do tecido e, consequentemente, a dor.

Após essa etapa, pode ser recomendada, também, sessões de fisioterapia ao paciente, para que a musculatura seja reforçada e diminua, assim, a instabilidade da coluna. Porém, se mesmo assim a dor continuar extrema e não ceder com o tratamento, a solução será se submeter a uma cirurgia.

Dentre as opções do tratamento cirúrgico, encontram-se:

  • - Laminectomia (retirada das lâminas vertebrais);
  • - Foraminotomia (abertura dos forames, abertura para a passagem de vasos e nervos entre os ossos);
  • - Flavectomia (retirada do ligamento amarelo, localizado na face posterior da coluna);
  • - Osteotomia (retirada dos “bicos de papagaio”).

Atenção! 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica. 

Posso me prevenir da Espondilose?

Não há uma maneira eficaz de se prevenir da doença, porém algumas medidas podem ser tomadas para que a coluna possa se manter saudável o maior tempo possível. Uma maneira de prevenção é evitar traumatismos sobre a coluna, como os provocados por exercícios e movimentos repetitivos.

Além disso, a propagação das informações sobre a doença para o maior número de pessoas possível também é válido. Portanto, compartilhe esse artigo com seus conhecidos. Quanto mais gente conhecer o que é a espondilose, melhor!

Referências:

http://www.atlasdasaude.pt/publico/content/espondilose
http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/02/pcdt-espondilose-livro-2013.pdf
http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/326230/o+que+e+espondilose+lombar+quais+os+sintomas+existe+tratamento.htm
http://www.mundosemdor.com.br/espondilose-parte-i/
http://www.healthline.com/health/cervical-spondylosis
http://www.drlucianopellegrino.com.br/website/index.php/component/easytagcloud/116-module/61-espondilose

© 2017 Consulta remédios. Todos os direitos reservados.

Receba nossos conteúdos diretamente em seu email

Ao concluir você aceita a nossa Política de Privacidade

Produtos relacionados

Posts relacionados

Comentários