Encontre lojas que entregam na sua região

Para que serve o Pantogar Men

Pantogar Men é um suplemento à base de vitaminas e minerais que auxiliam no crescimento e vitalidade dos fios. As vitaminas e minerais auxiliam no suporte nutricional do crescimento do cabelo, apresentam propriedades antioxidantes e papel importante na formação da queratina.

O zinco auxilia na proteção dos folículos e na manutenção de cabelos saudáveis.

A biotina auxilia na prevenção da queda e na manutenção da saúde dos cabelos.

A vitamina C é uma vitamina importante por sua ação antioxidante, auxiliando no combate aos radicais livres.

Além disso, é coadjuvante na produção da tirosina, que fornece a pigmentação dos fios de cabelos.

Contraindicação do Pantogar Men

- Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

- Durante Gravidez.

- Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos de idade.

Como usar o Pantogar Men

Recomenda-se ingerir 1 cápsula ao dia ou à critério do profissional de saúde.

Precauções do Pantogar Men

Advertências gerais:

Uma vez que a formação dos cabelos ocorre lentamente, é importante tomar este medicamento regularmente na dose prescrita por um período de 3 a 6 meses para garantir o sucesso do tratamento. Este medicamento não é indicado para alopécia cicatricial ou androgenética/convencional (calvície masculina). A alopecia cicatricial se caracteriza pela ausência ou diminuição definitiva dos pelos, podendo ser causada por traumas, queimaduras, infecções, câncer e doenças, tais como: líquen plano pilar, lupus eritematoso, esclerodermia, mucinose folicular. Entretanto, nestes casos, este medicamento pode fortalecer os cabelos restantes.

Gravidez 

Recomenda-se que este medicamento seja utilizado apenas na segunda metade da gestação.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação 

Não são conhecidas restrições para o uso do produto durante a lactação.

Pediatria 

Não se recomenda o uso do produto por crianças menores de 12 anos de idade.

Geriatria (idosos) 

Não são conhecidas restrições para o uso do produto por pacientes idosos.

Insuficiência renal/hepática

Não são conhecidas restrições para o uso do produto por pacientes com insuficiência renal ou hepática.

Reações Adversas do Pantogar Men

Reações raras (< 1/10.000 (< 0,01%)):

Aumento repentino do suor, pulso acelerado, reações da pele como coceira e urticária ou desconforto gastrintestinal como sensação de queimação no estômago, náuseas, gases e dor abdominal.

Ainda as seguintes reações adversas foram relatadas espontaneamente durante a comercialização de Pantotenato de Cálcio + Cistina + Nitrato de Tiamina + Associações (substância ativa), sem determinar a sua frequência: tonturas, cefaleia, vômitos, palpitação e eritema.

Em caso de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Pantogar Men

Não são conhecidos relatos de interação de com outros medicamentos, tabaco ou álcool.

Caso tenha sido tratado com um medicamento que contenha uma sulfonamida (por exemplo: sulfabenzamida, sulfacetamida, sulfacloropiridazina, sulfacrisoidina, sulfadiazina, sulfametoxazol), informe seu médico antes de usar, pois o efeito do antibiótico pode ser prejudicado.

Também não são conhecidos relatos de interferência nos resultados de exames laboratoriais.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Ação da Substância Pantogar Men

Resultados de Eficácia

Em 2007, Lengg N e Trueb R (2007) conduziram um estudo monocêntrico, randomizado, duplo-cego, placebo-controlado com 30 pacientes saudáveis, com historia de queda de cabelo, com ou sem sinais clínicos do tipo Padrão Feminino (FPHL) a (Ludwig I o II), com um índice telogênico maior de 20% medido com o Trichoscan. Os pacientes foram acompanhados durante 6 meses com a administração de 3 cápsulas ao dia do placebo ou este medicamento. Os resultados para as taxas de fios na fase anágena no tempo zero, com 3 e com 6 meses para o grupo este medicamento foram de 72,5%, 78,5% e 80,5% respectivamente contra 75,3%, 78,2% e 75,6% no grupo placebo. A diferença entre ambos os grupos foi estatisticamente significativa (p=0.009). O estudo concluiu que este medicamento levou a uma melhoria estatisticamente significativa na normalização da taxa de fios em fase anágena em 6 meses de tratamento (p=0,003).

Em outra avaliação clínica com 72 pacientes com alopecia difusa e lesões estruturais do cabelo, Budde J e cols. (1993) concluíram que este medicamento proporcionou o índice mais alto de eficácia entre todos os grupos. Sua tolerabilidade foi excelente e não se observaram eventos adversos.

Petri H e cols. (1990) em estudo comparativo, aleatório, duplo cego e controlado por placebo avaliaram 60 pacientes com alopecia difusa e lesões estruturais do cabelo após a administração deste medicamento 3 vezes ao dia, durante 4 meses. Os resultados indicaram que este medicamento obteve êxito ao melhorar o índice anágeno e a espessura do cabelo, além de ter sido significativamente superior ao placebo.

Em estudo aberto, multicêntrico de vigilância pós-marketing com 1629 pacientes com alopecia difusa e lesões estruturais, Berger T (1999), avaliou a eficácia e a tolerabilidade deste medicamento por meio de um valor subjetivo de queda de cabelo baseado em uma escala de 4 graus, além da quantificação dos cabelos perdidos em um período de 3 dias. O estudo durou 18,2 semanas, sendo administrada uma média de 3 cápsulas por dia. Demonstrou-se uma diminuição da alopecia difusa e das lesões estruturais do cabelo. Ao final do período de tratamento, o número de sujeitos com sintomas graves esteve próximo de 0%, assim como também diminuiu a quantidade de fios de cabelo perdidos. Além disso, a avaliação subjetiva do efeito terapêutico por parte dos médicos indicou que os resultados foram altamente satisfatórios tanto para a alopecia difusa quanto para a diminuição das lesões estruturais.

Características Farmacológicas

Pantotenato de Cálcio + Cistina + Nitrato de Tiamina + Associações (substância ativa) é um medicamento oral para cabelos e unhas. Fornece nutrientes aos cabelos e às unhas como o pantotenato de cálcio, cistina e as vitaminas contidas na levedura medicinal. Também contém a proteína queratina que é o mais importante componente do cabelo. este medicamento apresenta efeitos vantajosos em vários casos de perda de cabelo por causa inespecífica. É observada uma melhora no crescimento dos cabelos, tanto em relação ao número de cabelos perdidos espontaneamente como em relação à análise das raízes. este medicamento melhora a estrutura e aumenta a resistência do fio aos danos mecânicos (por exemplo, escovação), químicos (por exemplo, tinturas e alisamentos) e danos causados pela luz do sol, além de fortalecer os cabelos. As desordens de crescimento das unhas melhoram consideravelmente com o tratamento com este medicamento. As unhas se tornam menos quebradiças e mais fortalecidas.

Propriedades Farmacodinâmicas:

Do ponto de vista farmacológico, pode-se postular, com base em seu espectro de ações, um efeito aditivo de seus componentes. As vitaminas do complexo B são de especial importância para o desenvolvimento normal da pele e seus anexos. Quanto aos componentes individuais, sabe-se que seu efeito específico depende substancialmente da presença de outros componentes. Essa interdependência está documentada tanto para a ação bioquímica, quanto para a farmacológica.

As ações das vitaminas do complexo B estão suplementadas eficazmente em este medicamento pelos aminoácidos, que são essenciais para a síntese da queratina no cabelo e nas unhas, especificamente a L- Cistina e os aminoácidos que se encontram presentes na queratina. Qualquer deficiência com relação a esse aspecto pode ser compensada pelo este medicamento.

Propriedades Farmacocinéticas:

A farmacocinética deste medicamento não está bem elucidada. As vitaminas são absorvidas no trato gastrointestinal superior. Os aminoácidos derivados da hidrólise da queratina, assim, como a L-cistina e o ácido p-aminobenzóico, são absorvidos por difusão passiva ou por sistemas carregadores específicos.

Mononitrato de tiamina

Depois da administração oral, a tiamina é absorvida preferencialmente pelo duodeno e, em menor grau, pelas porções superior e média do intestino delgado. Quando administrada oralmente, a tiamina é rápida e totalmente absorvida. Depois da absorção, uma porção significativa de tiamina se une às proteínas. A vida média da tiamina é de 1 hora. Os derivados predominantemente eliminados são o ácido tiaminacarboxílico, a piramina, a tiamina e alguns metabólitos ainda não identificados. Com uma administração mais alta da tiamina, aumenta a sua percentagem inalterada, que é eliminada por via renal dentro de 4 – 6 horas. O requisito diário é de aproximadamente 1,5 mg.

D–pantotenato de cálcio

O ácido pantotênico é absorvido no intestino delgado de acordo com as leis da difusão. O ácido pantotênico se distribui por todos os tecidos em concentrações de 2 a 45 μg/g. O ácido pantotênico é eliminado predominantemente pelos rins, 15% é excretado pela respiração como CO2 e 15% é excretado pelas fezes. São eliminados por dia entre 0.8 e 7.4 mg.

Levedura medicinal contém:

Riboflavina

A riboflavina é absorvida no trato intestinal superior por meio de um mecanismo específico de transporte que inclui sua fosforilação. A riboflavina ingressa em todos os tecidos, os quais possuem uma capacidade limitada de armazenamento. A eliminação urinária aumenta quando ocorre a administração aumentada (aproximadamente 9% quando administrada a quantidade mínima requerida).

Niacina

A niacina é absorvida em todo o trato intestinal. Ela é metabolizada em um processo em que a n-metilação desempenha um papel importante. Com um nível muito alto de administração, aumenta a quantidade da vitamina que é eliminada sem alterações pela urina.

Piridoxina

Depois da absorção da piridoxina e a hidrólise dos compostos fosforilados no intestino, ela se apresenta no sangue de forma predominantemente fosforilada. O produto principal da excreção pela urina é o ácido 4 – piridóxico.

Biotina

Depois de sua absorção no intestino e sua distribuição, a biotina é excretada pela urina principalmente inalterada, porém, de forma mínima, também como nor–biotina e sulfóxido de biotina.

Ácido fólico

Depois de sua absorção no intestino, é transportado aos tecidos como metil–tetrahidro– pteroilo–glutamato unindo-se às proteínas plasmáticas. Ele tem uma função entero-hepática e nas células é restaurado como poliglutamato.

Inositol

O inositol é rapidamente absorvido pelo intestino. Ele é metabolizado predominantemente como glucose. Os órgãos com alta concentração de Inositol são os músculos cardíacos e esqueléticos, assim como o cérebro. Com exceção dos diabéticos, a urina contém pouca quantidade de Inositol.

Queratina

Não se conhecem estudos específicos sobre a farmacocinética da queratina. Assume-se que os aminoácidos contidos na proteína estejam presentes em forma absorvível após a hidrólise.

L - Cistina

A vida média biológica da cistina está definida como de 1,032 horas. A absorção da cistina nas células endoteliais é mediada pelo sistema x – c; o transporte depende de Na + y e é inibido pelo glutamato. Os dados sugeriram que a concentração de glutamato nas células endoteliais esteja regulada pela absorção da cistina.

Ácido p – aminobenzóico

O ácido p – aminobenzóico é absorvido por meio de difusão passiva no jejuno e no íleo. A substância se converte em ácido p-acetamidobenzóico (metabólito principal) e, através do ácido p – aminohipúrico, o ácido p – acetamidohipúrico e é eliminado por via renal. Setenta por cento da substância é acetilada nos rins e a parte restante no fígado. Como o ácido p – aminobenzóico é uma vitamina que é usada por um certo número de microorganismos para a síntese do ácido fólico, assume-se que uma quantidade maior de ácido fólico seja formada pela flora do intestino grosso quando se administra o ácido p – aminobenzóico.