Apetil

Sem ofertas no momento

1 apresentação

1 apresentação

Sem ofertas

cx 20 comp

EAN 7893353600316
PMC/SP R$ 13,02
Carregando ofertas...

Deixe seu e-mail para ser notificado quando houver ofertas desta apresentação.

Bula do Apetil

Como estimulante do apetite.

Enjôo em viagem: 50 mg meia hora antes de iniciar a viagem.

Vertigem e estimulante do apetite: 50 a 150 mg por dia.

A dose de manutenção é de 50 mg, 2 vezes ao dia.

Criança menor de 12 anos.
Hipersensibilidade ao componente da fórmula.
Não deve ser administrado no primeiro trimestre da gravidez.
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

A eficácia de BUCLIZINA pode ser comprovada em estudo de Herman W.  Envolvendo 24 pacientes versus grupo placebo fazendo o uso de buclizina como estimulante do apetite. Como resultado, relatou-se que a ação de buclizina é significativamente favorável.
Bormans A. Comprovou a eficácia de buclizina em seu estudo randomizado duplo cego placebo controlado, envolvendo 18 crianças hipotróficas que receberam buclizina por 75 dias. Todas as crianças que receberam a buclizina ganharam peso, em comparação ao grupo placebo. Castellar e cols.  Em seu estudo envolvendo 15 pacientes administrou buclizina a todos e confirmou o aumento de apetite e de peso nos pacientes envolvidos nesse estudo. Higa et al. Em seu estudo observacional ponderal com 20 crianças, confirmou a eficácia da buclizina como estimulante do apetite. Lamy F. Em seu estudo duplo cego placebo publicado em 1971, demonstrou também a eficácia de buclizina no aumento do apetite e ganho de peso.

Características farmacológicas

BUCLIZINA contém em sua fórmula o dicloridrato de buclizina, um derivado piperazínico com ações orexígena, anti- histamínica e antiemética. A buclizina possui acentuado efeito orexígeno, à semelhança de alguns outros anti-histamínicos. O mecanismo dessa ação estimulante do apetite ainda não está bem determinado, mas parece ser devido a um efeito hipoglicemiante e consequente estimulação do centro do apetite, no hipotálamo. Sua leve ação sedativa contribuiria também para reforçar o efeito orexígeno. A buclizina possui ainda um discreto efeito antimuscarínico central.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento).
Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento).
Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento).
Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento).

Às vezes pode ocorrer sonolência diurna, geralmente no início do tratamento.
Dados de Farmacovigilância têm demonstrado a ocorrência de alguns casos de: tontura, dor de cabeça, vômito, náusea, dispneia (falta de ar), insônia, diarreia e rush macular (pequenas manchas vermelhas na pele).

Informe ao seu médico ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

Gravidez e amamentação

O uso de BUCLIZINA durante a gravidez e amamentação é contraindicado. Informe imediatamente ao médico se houver suspeita de gravidez durante ou após o uso da medicação.
Informe ao médico se estiver amamentando.

Alterações na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

Em pacientes especialmente sensíveis, o leve efeito sedativo do dicloridrato de buclizina pode causar sonolência e potencializar a ação de substâncias depressoras do sistema nervoso central, inclusive bebidas alcoólicas. Nessa eventualidade, o paciente deve evitar dirigir veículos e operar máquinas perigosas. Não se recomenda a ingestão de bebida alcoólica quando em uso deste medicamento.

Possibilidade de mascarar testes diagnósticos cutâneos com extratos alergênicos (que causam alergia).

Possibilidade de potencialização dos depressores do sistema nervoso central (exemplo: hipnóticos (medicamentos que induzem o sono), anestésicos, álcool, etc.).
Levar em consideração os riscos de adição do efeito atropínico (efeito de inibição, por exemplo, de algumas substâncias do corpo que estão sendo produzidas em excesso), em caso de associação com outras substâncias anticolinérgicas [anti- histamínicos (para alergia), neurolépticos (tranquilizantes), antiparkinsonianos (para mal de Parkinson), anticolinérgicos (substâncias que inibem a produção de uma enzima específica do corpo, chamada acetilcolina), antiespasmódicos (para cólica), atropínicos (substâncias que apresentam efeito de inibição, por exemplo, de algumas substâncias do corpo que estão sendo produzidas em excesso), disopiramida (antiarrítmicos), antidepressivos tricíclicos].

Informações Profissionais

  • FABRICANTE

    Laboratil

  • TIPO DO MEDICAMENTO

    Similar

  • NECESSITA DE RECEITA

    Sim, Branca Comum

  • PRINCÍPIO ATIVO

    Buclizina

  • CATEGORIAS DO MEDICAMENTO

    Apetite

  • CLASSE TERAPÊUTICA

    Orexígenos

  • ESPECIALIDADES

    Gastroenterologia

VEJA MAIS NO CR PRO
Publicidade