Alektos

Ofertas a partir de R$28,04

12 ofertas

20mg, caixa com 30 comprimidos

EAN 7896641807770
PMC/SP R$ 88,56
Carregando ofertas...

1 oferta

20mg, caixa com 10 comprimidos

EAN 7896641807732
PMC/SP R$ 29,52
Carregando ofertas...

Sem ofertas

20 mg com ct bl al/al x 4

EAN 7896641807725
PMC/SP R$ 11,79
Carregando ofertas...

No momento nenhuma farmácia está ofertando a apresentação deste medicamento.

Deixe seu e-mail para ser notificado quando houver ofertas desta apresentação.

Sem ofertas

20 mg com ct bl al/al x 20

EAN 7896641807749
PMC/SP R$ 59,04
Carregando ofertas...

No momento nenhuma farmácia está ofertando a apresentação deste medicamento.

Deixe seu e-mail para ser notificado quando houver ofertas desta apresentação.

Sem ofertas

20 mg com ct bl al/al x 8

EAN 7896641807756
PMC/SP R$ 23,62
Carregando ofertas...

No momento nenhuma farmácia está ofertando a apresentação deste medicamento.

Deixe seu e-mail para ser notificado quando houver ofertas desta apresentação.

Bula do Alektos

Indicado para o tratamento sintomático de rinoconjuntivite alérgica (intermitente ou persistente) e urticária.

- O medicamento destina-se a administração exclusiva por via oral.
- Os comprimidos devem ser ingeridos em jejum, uma hora antes ou duas horas após a ingestão de alimentos ou bebidas.
- Os comprimidos devem ser ingeridos com água em quantidade de suficiente para facilitar a deglutição.
- A linha de sulco (divisão) pode ser usada para dividir o comprimido em duas partes, caso haja dificuldade de deglutição.
- A posologia habitualmente recomendada do medicamento 20 mg ao dia, em dose única, uma hora antes ou duas horas depois da ingestão de alimentos ou bebidas, inclusive de sucos de frutas.
- A duração do tratamento nos casos de rinoconjuntivite alérgica e urticária crônica dependerá das características clínicas (tipo, duração e curso dos sintomas), devendo-se seguir as orientações médicas.

Não deve ser usado em casos de hipersensibilidade conhecida à bilastina ou aos demais componentes da fórmula.

- Pacientes idosos: Não é necessária nenhuma adaptação posológica para pacientes idosos.
- Pacientes pediátricos: A eficácia e a segurança do uso do produto em crianças abaixo de 12 anos de idade ainda não foram estabelecidas. O seu uso não está indicado para menores de 12 anos.
- Pacientes com insuficiência renal: Não há necessidade de ajuste posológico para pacientes com disfunção renal (problemas nos rins); a dose diária não deve ultrapassar a posologia indicada. Recomenda-se cautela quando a bilastina for coadministrada com inibidores da glicoproteína-P a pacientes com insuficiência renal.
- Pacientes com insuficiência hepática: Não há necessidade de ajuste posológico para pacientes com disfunção hepática (problemas no fígado); a dose diária não deve ultrapassar a posologia indicada.
Interferência em testes de laboratório: De um modo geral, os anti-histamínicos interferem com os testes cutâneos de alergia. Recomenda-se suspender a administração do produto por um período adequado antes dos testes.
- Efeitos na capacidade de dirigir e operar máquinas: A influência da administração de bilastina sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas é nula ou desprezível.

- Reações comuns: sonolência, cefaléia.
- Reações incomuns: herpes oral, aumento do apetite, ansiedade, insônia, tinido, vertigem, tontura, dispnéia, desconforto nasal, ressecamento nasal, prurido cutâneo, fadiga, sede, pirexia, astenia, dor/desconforto abdominal, epigastralgia, náusea, diarreia, boca seca, dispepsia, gastrite, aumento de peso, distúrbios cardíacos (bloqueio de ramo direito, arritmia sinusal, extrassístoles ventriculares, QT prolongado, elevação do segmento ST, segmento ST-T anormal e onda T anormal no ECG), elevação de γ-GT, de transaminases, creatinina e triglicerídios.

- Não se conhecem sintomas de superdose no homem. As informações referentes a superdose aguda são limitadas à experiência dos estudos clínicos conduzidos durante o desenvolvimento da bilastina. Após a administração da bilastina em doses 10 a 11 vezes a dose terapêutica [220 mg (dose única) ou 200 mg/dia por 7 dias] a voluntários sadios, a frequência de eventos adversos emergentes do tratamento foi duas vezes mais alta que com placebo. As reações adversas mais frequentemente relatadas foram tontura, cefaleia e náusea. Não se relataram eventos adversos sérios nem prolongamento significativo do intervalo QTc. A avaliação crítica do efeito de doses múltiplas de bilastina (100 mg x 4 dias) sobre a repolarização ventricular por meio de um “estudo completo cruzado QT/QTc” em 30 voluntários sadios não exibiu prolongamento significativo de QTc.
- No caso de ingestão de doses muito acima das preconizadas, com manifestações clínicas de intoxicação, devem-se adotar as medidas habituais de suporte e controle dos sintomas e de manutenção das funções vitais.
- Não existe antídoto específico conhecido para a bilastina.

Não deve ser administrado a gestantes e lactantes, a menos que seja absolutamente necessário, uma vez que a experiência clínica sobre seu uso em mulheres nestas condições é limitada. Estudos de reprodução em animais não indicaram efeitos tóxicos na reprodução, no parto e no desenvolvimento pós-natal. Não existem informações sobre a excreção da bilastina no leite humano nem de animais. O seu uso durante o período de amamentação deve considerar a relação benefício/risco para a mãe e para a criança.

O perfil de segurança da bilastina não é afetado com o uso concomitante de medicamentos à base de cetoconazol, eritromicina, diltiazem ou lorazepam por pacientes com função renal normal. No entanto, caso esteja fazendo uso desses ou de outros medicamentos, informe o seu médico.

Interação com álcool:

Não se observaram alterações no desempenho psicomotor após a ingestão concomitante de álcool e 20 mg de bilastina.

Ingestão com alimentos:

O produto não deve ser ingerido com alimentos ou bebidas, pois seu efeito pode ser diminuído. Informe ao seu médico ou cirurgião dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Rafael de Santis CRF-SP no 55.728

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO O produto deve ser conservado na embalagem original e à temperatura ambiente (15°C a 30°C) Os comprimidos de ALEKTOS são brancos, ovais, biconvexos e sulcados, com odor e sabor característicos A linha de sulco não tem por objetivo a divisão do comprimido em doses iguais, mas pode ser usada para quebrar o comprimido e facilitar a deglutição Número de lote e data de fabricação e validade: vide embalagem Não use medicamento com o prazo de validade vencido Guarde-o em sua embalagem original Antes de usar, observe o aspecto do medicamento Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças 6

COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém 20 mg de bilastina Excipientes: celulose microcristalina, amidoglicolato de sódio, dióxido de silício e estearato de magnésio 1

Informações Profissionais

  • FABRICANTE

    Takeda

  • TIPO DO MEDICAMENTO

    Similar

  • NECESSITA DE RECEITA

    Sim, Branca Comum

  • PRINCÍPIO ATIVO

    bilastina

  • CATEGORIAS DO MEDICAMENTO

    Descongestionante Nasal

  • CLASSE TERAPÊUTICA

    Anti-Histamínicos Sistêmicos

  • ESPECIALIDADES

VEJA MAIS NO CR PRO
Publicidade

Farmácias e Especialistas

Próximo de: Chácara Maria Trindade, São Paulo - SP