31 MEDICAMENTOS COM

Oxalato De Escitalopram

10 Ofertas de R$59,74 até R$272,50
Apenas com Ofertas
Ordenar:

Informações do Oxalato De Escitalopram

Descrição

Substância antidepressiva utilizada em pacientes com depressão. É encontrada em forma de comprimidos ou gotas.

Indicação do Oxalato de Escitalopram

  • - Tratamento e prevenção da recaída ou recorrência da depressão;
  • - Tratamento do transtorno do pânico, com ou sem agorafobia;
  • - Tratamento do transtorno de ansiedade generalizada (TAG);
  • - Tratamento do transtorno de ansiedade social (fobia social);
  • - Tratamento do transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Contra-indicação do Oxalato de Escitalopram

  • - Não tomar o medicamento se estiver em uso de medicamentos conhecidos como inibidores da monoaminoxidase (IMAO), incluindo selegilina (usada no tratamento de Mal de Parkinson), moclobemida (usada no tratamento da depressão) e linezolida (um antibiótico).
  • - Não tomar o medicamento se você nasceu com ou teve um episódio de arritmia cardíaca (observado em Eletrocardiograma, exame que avalia como o coração está funcionando).
  • - Não tomar o medicamento se estiver em tratamento de arritmia cardíaca ou que podem afetar o ritmo cardíaco.

Tipo de receita

C1 Branca 2 vias

Posologia do Oxalato de Escitalopram

Instruções de Uso

Os comprimidos são administrados por via oral, uma única vez ao dia. Os comprimidos podem ser tomados em qualquer momento do dia, com ou sem alimentos. Engolir os comprimidos com água, sem mastigá-los.

Tratamento da Depressão e prevenção de recaídas

A dose usual é de 10 mg/dia. Dependendo da resposta individual, a dose pode ser aumentada lentamente de 10 até um máximo de 20 mg diários. Usualmente 2-4 semanas são necessárias para obter uma resposta antidepressiva. Após remissão dos sintomas, tratamento por pelo menos 6 meses é requerido para consolidação da resposta.

Tratamento do Transtorno do Pânico com ou sem Agorafobia

Recomenda-se uma dose inicial de 5 mg na primeira semana de tratamento, antes de se aumentar a dose para 10 mg por dia, para evitar a ansiedade paradoxal que pode ocorrer nesses casos. Aumentar a dose até um máximo de 20 mg por dia, dependendo da resposta individual do paciente. A eficácia máxima é atingida após aproximadamente 03 meses. O tratamento é de longa duração.

Tratamento do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

A dose inicial usual é de 10mg/dia. Dependendo da resposta individual do paciente, a dose pode ser aumentada para um máximo de 20 mg/dia.
O tratamento de respondedores por um período de 06 meses em pacientes utilizando 20 mg diárias pode ser utilizado para a prevenção de recaídas e deverá ser considerado como uma opção para alguns pacientes; os benefícios do tratamento devem ser reavaliados periodicamente.

Tratamento do Transtorno de Ansiedade Social (Fobia Social)

A dose usual é de 10 mg/dia. Para o alívio dos sintomas são necessárias de 02 a 04 semanas de tratamento, geralmente. Dependendo da resposta individual, pode ser reduzida para 5mg ou aumentada até um máximo de 20 mg/dia.

O Transtorno de Ansiedade Social é uma doença crônica, e recomenda-se o tratamento por um período de 03 meses para a consolidação da resposta. O tratamento de longo prazo foi avaliado por 06 meses e pode ser considerado para a prevenção de recaídas; os benefícios do tratamento devem ser reavaliados regularmente.

O Transtorno de Ansiedade Social é uma terminologia bem definida de diagnóstico de uma doença específica, e não deve ser confundido com timidez excessiva. A farmacoterapia somente é indicada se a doença interferir significativamente nas atividades sociais e profissionais.
Não há dados comparativos entre a farmacoterapia e a terapia cognitiva comportamental. A farmacoterapia é parte da estratégia terapêutica global.

Tratamento do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)

A dose usual é de 10 mg/dia. Dependendo da resposta individual, decrescer a dose para 5 mg/dia ou aumentar até um máximo de 20 mg/dia.
O TOC é uma doença crônica e os pacientes devem ser tratados por um período mínimo que assegure a ausência de sintomas. A duração do tratamento deverá ser avaliada individualmente e poderá ser de diversos meses ou mais. Os benefícios do tratamento e a dose devem ser reavaliados regularmente.

Pacientes Idosos (acima de 65 anos)

Considerar a dosagem inicial de 5mg uma vez ao dia. Dependendo da resposta individual do paciente a dose pode ser aumentada até 10 mg diariamente. 
A eficácia no tratamento do Transtorno de Ansiedade Social não foi estudade em pacientes idosos.

Crianças e Adolescentes

Não deve ser usado no tratamento de crianças e adolescentes com menos de 18 anos.

Função Renal Reduzida

Não é necessário ajuste da dose em pacientes com disfunção renal leve ou moderada. recomenda-se cautela em pacientes com a função renal gravemente reduzida (clearance de creatinina < 30 ml/min.).

Função Hepática Reduzida

Recomenda-se uma dose inicial de 5 mg/dia durante as 02 primeiras semanas do tratamento em pacientes com comprometimento hepático leve ou moderado. Dependendo da resposta individual de cada paciente, aumentar para 10 mg/dia. Recomenda-se cautela e cuidados extras na titulação da dose em pacientes com comprometimento hepático severo.

Pacientes com Problemas na Metabolização pela CYP2C19

Para os pacientes com problemas conhecidos de metabolização pela enzima CYP2C19, recomenda-se uma dose inicial de 5 mg/dia durante as primeiras 02 semanas de tratamento. Dependendo da resposta individual de cada paciente, aumentar a dose para 10 mg/dia.

Duração do Tratamento

A duração do tratamento varia de indivíduo para indivíduo, mas geralmente tem duração mínima de aproximadamente 06 meses. Pode ser necessário um tratamento mais prolongado. A doença latente pode persistir por um longo período de tempo. Se o tratamento for interrompido precocemente os sintomas podem voltar.

Sintomas de Descontinuação

A interrupção abrupta do tratamento deve ser evitada. Ao interromper o tratamento , reduzir gradualmente a dose durante um período de 01 a 02 semanas, para evitar possíveis sintomas de descontinuação. Se reações intoleráveis ocorrerem após a redução da dose ou interrupção do tratamento, o retorno da dose anteriormente prescrita pode ser considerado, Em seguida, o médico pode continuar reduzindo a dose, porém mais gradualmente.

Esquecimento da Dose

A meia-vida é de aproximadamente 30 horas, fato que, associado à obtenção da concentração de estado de equilíbrio após o período de 05 meias vidas, permite que o esquecimento da ingestão da dose diária possa ser contornado com a simples supressão daquela dose, retomando no dia seguinte a prescrição usual.

Reações adversas do Oxalato de Escitalopram

Náuseas, aumento do suor, aumento ou diminuição do apetite, nariz eutpido ou com coriza, cansaço, febre, aumento de peso, dores musculares e nas articulações, diarreia, constipação, vômitos, boca seca, mania, edema agudo de pele ou mucosas, tremores, perda de cabelo, sangramento nasal, diminuição do peso, alucinação, agressividade, despersonalização, ereção dolorosa, aumento da quantidade de urina excretada, tontura ao levantar-se por queda da pressão, inchaços nos braços ou pernas, pupilas aumentadas, sensações de agulhadas na pele, tontura, dificuldade para dormir e inquietude.

Riscos

Alterações do desejo sexual, ejaculação precoce.

Interação medicamentosa do Oxalato de Escitalopram

Alguns medicamentos podem afetar a ação de outros, e isso pode causar sérias reações adversas.

Comunicar ao seu médico todos os medicamentos que estiver em uso ou que tenha feito uso nos 14 dias prévios ao início do tratamento com Oxalato de Escitalopram (mesmo os sem necessidade de receita controlada), inclusive outros medicamentos para depressão.

O Oxalato de Escitalopram e os medicamentos abaixo devem ser associados com orientação médica:

  • -  Inibidores não-seletivos da monoaminoxidase (IMAO) – que contenham fenelzina, iproniazida, isocarboxazida, nialamida e tranilcipromina como ingredientes ativos. Se você fez uso de algum destes medicamentos, após a interrupção você precisará esperar 14 dias antes de começar a tomar o Oxalato de Escitalopram. Após a interrupção do Oxalato de Escitalopram, você deve esperar 7 dias antes de usar qualquer um destes medicamentos. 

  • -  Inibidores seletivos da MAO-A, reversíveis, que contenham moclobemida (usada para tratar depressão). 

  • -  Inibidores irreversíveis da MAO-B, que contenham selegilina (usada para tratar doença de Parkinson). Eles aumentam o risco de efeitos adversos. 

  • -  O antibiótico linezolida 

  • -  Lítio (usado no tratamento do Transtorno Maníaco-Depressivo) e triptofano 

  • -  Sumatriptano e similares (usados para tratar enxaqueca) e tramadol (usado para tratar dores severas). Estes medicamentos aumentam o risco de surgimento de efeitos adversos. 

  • -  Cimetidina, lansoprazol e omeprazol (usados para tratamento de úlceras estomacais), fluvoxamina (antidepressivo) e ticlopidina (usado para reduzir o risco de derrame). Estes medicamentos podem causar aumento da quantidade do Oxalato de Escitalopram no organismo. 

  • -  Erva de São João (Hypericum perforatum) – um medicamento fitoterápico usado para tratamento da depressão. 

  • -  Ácido Acetil Salicílico (aspirina) e anti-inflamatórios não esteroidais (usados para o alívio da dor ou para afinar o sangue, chamados então de anticoagulantes). Podem aumentar a tendência ao sangramento. 

  • -  Varfarina, dipiridamol e fenprocumona (medicamentos usados para afinar o sangue, chamados então de anticoagulantes). O tempo de coagulação deverá ser avaliado pelo seu médico quando o Oxalato de Escitalopram for introduzido ou descontinuado, para verificar se a sua dose do anticoagulante continua adequada. 

  • -  Mefloquina (usada para tratar malária), bupropiona (usada para tratar depressão) e tramadol (usado para tratar dor grave) – pela possibilidade da diminuição do limiar para convulsões. 

  • -  Neurolépticos (para tratar esquizofrenia, psicoses) e antidepressivos (antidepressivos tricíclicos e ISRSs) - pela possibilidade da diminuição do limiar para convulsões. 

  • -  Imipramina e desipramina (ambos usados para tratamento da depressão). 

  • -  Flecainida, propafenona e metoprolol (usados para doenças cardiovasculares), clomipramina e nortriptilina (antidepressivos) e, risperidona, tioridazina e haloperidol (antipsicóticos). Pode ser necessário o ajuste da dose do Oxalato de Escitalopram. 

  • -  Medicamentos que alteram a função plaquetária – risco um pouco aumentado de sangramentos anormais. 

  • -  Medicamentos que diminuem os níveis de potássio ou magnésio no sangue, pois nestas condições aumenta o risco de alteração fatal do ritmo cardíaco. 


Não use Oxalato de Escitalopram se você faz uso de outros medicamentos para arritmia cardíaca ou medicamentos que podem afetar o ritmo cardíaco, como antiarrítmicos das Classes IA e III, antipsicóticos (ex: derivados de fenotiazina, pimozida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, alguns antimicrobianos (ex: esparfloxacino, mofloxacino, eritromicina IV, pentamidina ou medicamentos antimaláricos particularmente halofantrina), alguns anti-histamínicos (astemizol, mizolastol). Se você tiver qualquer dúvida procure seu médico.

O Oxalato de Escitalopram interage com Álcool?

O Oxalato de Escitalopram não potencializa os efeitos do álcool. Apesar de não haver interação, recomenda-se não ingerir álcool durante o tratamento com o Oxalato de Escitalopram. 


INFORME AO SEU MÉDICO SE ESTÁ FAZENDO USO DE ALGUM OUTRO MEDICAMENTO.

NÃO USAR MEDICAMENTOS SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE.

Cuidados e orientações do Oxalato de Escitalopram

  • - Avisar o médico se teve ou tem algum problema de saúde. Principalmente, fale com seu médico.
  • - Se você tem epilepsia. O tratamento com o medicamento deve ser descontinuado se ocorrer convulsões pela primeira vez, ou um aumento da frequência das crises convulsivas.
  • - Se você tem comprometimento do funcionamento dos rins ou do fígado. O seu médico deve ajustar a dose.
  • - Se você tem diabetes. O tratamento com o medicamento pode alterar o controle glicêmico. Pode ser necessário um ajuste da dose do hipoglicemiante oral ou da insulina.
  • - Se você tem níveis de sódio diminuídos no sangue.
  • - Se você tem tendência a sangramentos ou manchas roxas.
  • - Se você está em terapia eletroconvulsiva.
  • - Se você tem doença cardíaca coronariana.
  • - Se você tem ou teve problemas cardíacos ou sofreu recentemente um ataque cardíaco.
  • - Se você tem baixa frequência cardíaca de repouso ou sabe que pode ter baixa de sal devido à diarreia e vômitos severos prolongados ou uso de diuréticos.
  • - Se você tem ou teve aceleração ou irregularidade nos batimentos cardíacos, desmaios, colapso, tontura ao levantar-se, que pode indicar funcionamento anormal do batimento cardíaco.

Ações da substância do Oxalato de Escitalopram

O Oxalato de Escitalopram é um medicamento da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), que é uma classe do grupo dos antidepressivos. O Oxalato de Escitalopram age no cérebro, onde corrige as concentrações inadequadas de determinadas substâncias denominadas neurotransmissores, em especial a serotonina, que causam os sintomas na situação de doença.

Pode demorar cerca de duas semanas até você começar a se sentir melhor. Continue a tomar o Oxalato de Escitalopram, mesmo que leve algum tempo até você se sentir melhor.

Você deve procurar seu médico se você não se sentir melhor ou se sentir pior.

Interações alimentícias

O Oxalato de Escitalopram não interage com alimentos ou bebidas. 


Doenças relacionadas

Depressão

ansiedade

síndrome do pânico

Especialidades médicas

Neurologia

Psicologia

Psiquiatria

Nomes comerciais

Astrale, Deciprax, Eficentus, Esc, Escilex, Escip, Espran (C1), Estalox, Estalox (C1), Exodus (C1), Lexapro, Lexoneo, Neuropram, Nexipram, Plenitus, Reconter, Reconter (C1), Reconter Gt, Scitalax, Sedopan (C1), Serolex, Serolex (C1), Vidapram

CDB (Denominação Comum Brasileira)

03512.